Sobre a vida…

image1

É engraçado ver as voltas que a vida dá, né? Comecei a escrever esse texto e apaguei diversas vezes – é muito difícil falar sobre algo que nem mesmo eu entendi ainda. Posso dizer que essa viagem foi um grande divisor de águas na minha vida. Me arrisco a dizer que houve a vida pré-Nova York e agora estou vivendo a vida pós-Nova York. Cheguei naquele momento da vida em que normalmente somos obrigados a aprender a dançar conforme a música, e nos deixar levar pelo ritmo sem pensar muito bem no que estamos fazendo. Só fechar os olhos e ir. Não tenho direito de dizer que tudo que vivi foi em vão, pois cada momento vivido me trouxe onde estou hoje e me levou a ser quem sou.

Ainda estou absorvendo tudo que vivi em Nova York e como prometido, vou falar sobre tudo aqui. Foram tantas coisas incríveis, tanto aprendizado, que nunca saberia transmitir com palavras – mas prometo que vou tentar.

Recebi uma mensagem linda no meu último dia lá, de uma pessoa que me acolheu e me tratou tão bem como nunca imaginei que seria tratada, e é com essa mensagem que termino esse post.

“Sou feita de retalhos. Pedacinhos coloridos de cada vida que passa pela minha e que vou costurando na alma. Nem sempre bonitos, nem sempre felizes, mas me acrescentam e me fazem ser quem eu sou. Em cada encontro, em cada contato, vou ficando maior… Em cada retalho, uma vida, uma lição, um carinho, uma saudade… que me tornam mais pessoa, mais humana, mais completa. E penso que é assim mesmo que a vida se faz: de pedaços de outras gentes que vão se tornando parte da gente também. E a melhor parte é que nunca estaremos prontos, finalizados… haverá sempre um retalho novo para adicionar à alma.
Portanto, obrigada a cada um de vocês, que fazem parte da minha vida e que me permitem engrandecer minha história com os retalhos deixados em mim. Que eu também possa deixar pedacinhos de mim pelos caminhos e que eles possam ser parte das suas histórias.
E que assim, de retalho em retalho, possamos nos tornar, um dia, um imenso bordado de ‘nós'”.

Beijos,

Ju

Anúncios

Playlist – Dia do Rock

Apesar de hoje em dia eu ser uma pessoa super eclética quando o assunto é música, desde pequena minha preferência sempre foi rock. Na adolescência, passei por todas as fases rockeira – a fase emo, a fase hardcore, a fase new metal.. e até hoje não consigo decidir qual segmento dentro do rock me agrada mais. Sou do tipo que se apega muito mais à músicas do que à bandas ou títulos, e a única banda que eu amava muito era The Used, que parei de acompanhar há alguns anos. Essa playlist não tem músicas atuais, e sim as minhas músicas favoritas mais nostálgicas dessa época que eu amo muito e escuto até hoje.

  1. Asking Alexandria – Someone Somewhere

Essa música marcou muito meu ensino médio, lembro que uma das minhas melhores amigas levava as letras das músicas impressas pra gente aprender a cantar, e essa era uma das nossas favoritas.

 

2. The Used – Empty With You

Essa era a minha banda favorita, então todas deles são muitos marcantes – eu e as meninas costumávamos ir pro shopping toda quarta-feira, e uma vez eu comecei a ouvir essa música tocando, e ela ficava repetindo muitas vezes e eu procurando de onde estava vindo. Umas 6 vezes depois, percebi que esse era o toque do meu celular e eu tinha esquecido disso.

 

3. Sleeping With Sirens – If I’m James Dean, You’re Audrey Hepburn

Essa música marcou o término de um romance bem emo que tive na adolescência, hoje em dia é engraçado lembrar do drama que foi – como é possível perceber pela letra que me foi dedicada.

 

4. Simple Plan – Perfect

Essa provavelmente é a mais marcante de todas. Foi uma das primeiras bandas que eu comecei a ouvir, praticamente na infância. Era apaixonada pelo Pierre e tinha um poster enorme deles no quarto – junto com posters da Pitty, Cpm 22, Detonautas, Red Hot Chilli Peppers e outras da época. Um fato interessante é que nessa época, o meu msn era juh_xp_cpm22. Bem específica, né?!

 

5. Red Hot Chilli Peppers – Dani California

Essa música marcou muito as minhas tardes de férias da escola, lembro que ficava naqueles canais onde passavam clipes torcendo pra passar esse, que sempre foi o meu favorito de todos os tempos. Amo muito!

 

São tantas músicas, que muito provavelmente irei fazer mais playlists nostálgicas assim. Cada música uma lembrança especial da adolescência.

Beijos,

Ju

 

Onde vou trabalhar em Nova York

times2

Essa provavelmente é uma das partes mais incríveis dessa experiência: trabalhar na famosa Times Square, um dos maiores centros comerciais do mundo onde os prédios instalam luminosos gigantes para fins publicitários – que nem parecem reais de tão legais que são. Sobre o trabalho em si, para quem não viu esse post aqui, eu irei fazer o meu estágio obrigatório da faculdade no departamento de marketing da empresa onde eu trabalho aqui no Brasil, que tem sua sede em Nova York. O estágio terá duração de um mês, e em cada semana eu irei fazer algo diferente – minha supervisora de estágio já me adiantou que essa é uma época muito agitada por lá, com muitos eventos legais pra gente organizar e muita gente nova passa pelo escritório nesse período.

O meu canal favorito sobre Nova York – Amigo Gringo, que eu já indiquei nesse post, tem um vídeo legal sobre a Times Square, vou deixar aqui pra vocês verem.

Não vejo a hora de falar muito sobre isso aqui, quando eu tiver minha própria opinião sobre o lugar. Pra acompanhar tudo e sempre saber quando tem post novo, sigam o instagram do blog!

Beijos,

Ju

Como é trabalhar na Disney #2

Se você ainda não viu os outros posts sobre a Disney, clique aqui para ver a apresentação, e aqui para ver a parte 1 da história, que é contada pela minha amiga Luciana.

2

Voamos com a saudosa Transbrasil, todos juntos no mesmo vôo por 8 horas durante toda a noite. Chegamos bem cedo e um ônibus nos esperava, então fomos levados ao condomínio onde moraríamos nos próximos 3 meses – o Vista Way. Nos reunimos no Clubhouse, que é uma espécie de recepção do condomínio e de lá fomos levados aos nossos apartamentos para deixar nossas bagagens e retornar ao Clubhouse para um longo dia de assinatura de contratos e regras do condomínio.

Ao retornar ao apartamento, me dei conta de que moraríamos em seis pessoas, sendo quatro de nós éramos brasileiras que chegamos juntas (eu, Renata – com quem eu dividia meu quarto, Marianna e Juliana) e as duas que já estavam acomodadas eram americanas (Kelly e Alice). Éramos em duas por quarto, um banheiro para dois quartos e outro banheiro para um quarto.

No dia seguinte acordamos muito cedo e fomos ao Disney University para o Traditions, um treinamento de dois dias para todos os recém chegados sobre todas as empresas que compõem a Disney, políticas, regras gerais e conhecimento cultural e tudo mais. Foram dias intensos, mas muito dinâmicos e divertidos. Foi lá que ficamos sabendo onde trabalharíamos e quais seriam nossos cargos.

Depois do Traditions, o grupo se dividia e cada um ia pro seu parque ou hotel onde trabalharia, no meu caso desta primeira vez era no All Star Sport Resort, a maior rede de hotéis do mundo. O All Star Resort é composto pelo Sport, Music e Movies (que na época ainda não existia). Cada um com aproximadamente 3000 quartos. É um hotel de categoria acessível junto com o Pop Century Resort, um dos principais rumos dos grupos brasileiros de turismo.

No final do Traditions descobri que trabalharia como Food & Beverage Hostess – com alimentos e bebidas. Tudo que eu não queria (Hahaha!). Na época não sabia nem fritar um bife e fazia arroz na panela elétrica japonesa, que é minha descendência.

Tivemos meio dia de treinamento sobre o Resort e o restante do dia foi um overview do All Star Sport e tirando medidas dos uniformes.

4

Dia seguinte demos início ao treinamento de uma semana no meu local de trabalho, a praça de alimentação. O contrato pede o mínimo de 40 horas semanais de trabalho, sendo na maioria das vezes 5 dias de trabalho de 8 horas e 2 dias de folga. Ganhávamos por hora e nosso pagamento era toda quinta-feira.

Lá havia a Bakery, onde se vendia pães doces e doces em geral, o Market, mercado onde se vendia principalmente frutas, saladas e outras e bebidas que não tínhamos nas nossas máquinas, Barbecue, onde se vendia churrasco estilo americano, Grill, onde se vendia sanduíches, a Pizzaria e a Beverage Island, onde estavam as máquinas de refrigerante, condimentos, etc.

O trabalho lá era por escala e com bastante rotatividade. Através de um estudo, concluíram que após uma hora fazendo a mesma coisa o ser humano fica entediado e perde o interesse, então tínhamos um intervalo de 15 minutos a cada 1 hora.

Cada dia trabalhava num lugar diferente e dentro de cada local havia 4 ou 5 posições de atendimento diferentes, era muito interessante e realmente o estudo é imenso. Primeiramente foi surpreendente o novo vocabulário pra decorar, tirando as pizzas e os itens do mercado – eram muitos sanduíches diferentes, acompanhamentos de churrasco e da padaria então, nem se fala! O treinamento consiste em 5 dias de aprendizado com todos os procedimentos de abertura e fechamento de todos os shops, atendimento padronizado e após isso, no 6º dia, tem o check-out. É a prova pra ver se passamos ou não pra podermos ficar por nossa própria conta. Nesse período usamos uma bandeirinha em nosso crachá onde diz: Earning my Ears (Ganhando minhas orelhas). Todos sabem que isso significa que estamos em treinamento e assim todos tem mais paciência conosco.

Quando trabalhamos lá somos chamados de Cast Member (Membros do Elenco), porque tudo lá é um grande show. Em nossas horas vagas ou dias de folga, podemos entrar nos parques gratuitamente e temos 25% de desconto em merchandising dentro da propriedade Disney.

Foi uma experiência sensacional – primeira vez que morei fora de casa, ainda dividindo o apartamento com mais 5 garotas e em outro país. Dessa vez não fiz viagem nenhuma, preferi conhecer mais a área mesmo, já que só tinha ido pra Disney uma vez no meu aniversário de 15 anos e não me lembrava de muita coisa. Meus dias de folga eram regados de Disney – se não nos parques, nos parques aquáticos ou passeando e conhecendo os hotéis deles mesmo: estudando a perfeição da temática deles.

Não deixem de acompanhar os próximos capítulos, temos uma surpresa pra vocês.

Have a magical day!

Playlist – Fim de Semestre

Mais uma vez o semestre da faculdade chega ao fim, e como sempre, eu estou esgotada mentalmente. Ainda falta uma semana pra prova final, e então poderei me dedicar ao meu roteiro de viagem. Enquanto isso, só me resta procurar boas músicas pra passar o tempo. As que eu mais tenho escutado ultimamente tem a mesma pegada calma que eu gosto. Espero que elas os ajudem a relaxar também!

Espero que gostem das músicas!

Beijos,

Ju