Finais…

Esse Natal não foi como sempre costumou ser. A casa não lotou, meu cachorro não surtou e, principalmente, não nos exaustou. É tão estranho quebrar tradições, sabe? Eu me senti realmente mal e hoje preciso refletir sobre o fim. Até porque, estamos no fim de um ciclo gigantesco que é um ano. Sim, um ano é gigantesco, muita coisa acontece ao longo de 12 meses, 365 dias, por mais que não pareça. Todos ao meu redor dizem que o ano voou, mas será que o motivo disso é realmente a velocidade do mundo, ou a nossa velocidade mudou? Sinto que estamos tomados por uma ansiedade que não nos permite mais viver os momentos. Estamos sempre esperando por algo: concluir faculdade, aquela viagem que você sempre sonhou em fazer, aquele fim de semana na praia, o fim do expediente, o salário no fim do mês… Percebem quantos finais? Bom, comecei esse texto falando que preciso refletir sobre o fim, que é um grande tabu na minha vida. Eu sempre fui muito criticada por nunca terminar ciclos, e devo concordar que costumava fugir disso, afinal, o que vem depois? Um grande exemplo disso é a faculdade, que finalmente concluí depois de quatro anos que, adivinhem… voaram! Agora sinto um vazio, como se não tivesse mais nada a fazer, mas ao mesmo tempo falta tanto para conquistar. Provavelmente irei fazer uma pós graduação logo em seguida, tenho uma casa pra terminar, uma família pra construir e filhos pra criar… a única coisa que eu preciso, e não só eu, é ter calma. Se todos estamos caminhando para o fim, por que ter tanta pressa, tanta ansiedade? Precisamos viver um dia de cada vez, como se ele fosse único – e eles são únicos.

2017 foi um ano muito positivo. Muito mesmo. Aprendi que amor não é algo que se cobra, ele simplesmente flui, é leve e é sim muito bonito. Aprendi que as coisas nunca serão como nós planejamos, e que, muitas vezes, o ideal é não planejar. Aprendi que amizade tem que ser recíproca e extremamente sincera, e se não for, não é amizade. Aprendi que o amor entre pais e filhos é a energia mais linda do mundo, não importa a circunstância, o amor prevalece sempre. Aprendi que não somos obrigados a gostar de tudo, mas que muitas coisas são necessárias e o respeito vem acima de tudo. Aprendi que em muitos momentos o melhor é o silêncio. Aprendi que todas as pessoas que passam por nós, deixam um pouco de si e levam um pouco de nós. E aprendi também que metas e objetivos são necessários pra nossa saúde mental.

Que 2018 seja leve.

 

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s